Inovação Incremental da Amazon

Uma das inovações mais interessantes que a Amazon quer implementar está relacionada com modificar o processo de distribuição de encomendas. Como muitos já sabem, a Amazon é uma das empresas mais inovadoras atualmente, e o que difere essa inovação das outras pretendidas pela empresa é que agora a ideia consiste em envolver pessoas comuns — de fora da empresa — no processo. Até esse ponto não há nada de ultra moderno em termos de tecnologia envolvida. O interessante é justamente isso! A Amazon vai utilizar pessoas com rotinas variadas para realizar entregas de acordo com a rota diária que ela percorre. É um desafio muito grande e que posteriormente contará com um sistema robusto para gerenciar fluxos e informações. Provavelmente a rota será gerenciada através de GPS do celular do entregador.

Essa inovação não surgiu fortuitamente. Ela é oriunda de uma demanda por otimizar o processo de distribuição de mercadorias que está cada vez mais caro. Além de eficiência nas entregas a Amazon quer diminuir custos. O que caracteriza a iniciativa como inovação incremental, um passo de cada vez de forma coordenada e constante. Posteriormente, esse processo pode se consolidar como uma inovação de ruptura.

Anúncios

Cooperação Profissional

Alguns Países abrem as portas para profissionais brasileiros bem capacitados. Abaixo segue uma reportagem extraída da info exame.

Hesse1309/Creative Commons

NoruegaNoruega: país busca engenheiros, médicos e professores

Trabalhar fora do Brasil parece ser um sonho distante para muita gente. Mas a oferta pró-ativa de oportunidades profissionais por alguns países indica que os brasileiros podem, sim, ser imigrantes muito bem-vindos.

Selecionamos três países que estão abertos à entrada de mão de obra estrangeira qualificada e, de quebra, já manifestaram interesse específico em profissionais do Brasil. Veja a seguir:

Nova Zelândia
O pequeno país da Oceania tem diversas oportunidades para imigrantes com diploma de nível superior, principalmente nas áreas de medicina, engenharia e tecnologia da informação (TI).

O governo neozelandês também está aberto para mão de obra estrangeira capacitada em finanças, educação, construção, óleo e gás, entre outras áreas listadas no seu site oficial.

Os brasileiros são bem-vindos: a Nova Zelândia até tem um programa anual de trabalho temporário feito exclusivamente para o país. Mais informações sobre o assunto podem ser encontradas no site do governo neozelandês.

Canadá
O Québec, província do Canadá que fala francês, até já promoveu palestras no Brasil para mostrar que os profissionais daqui são desejados.

As principais formações miradas são administração de empresas, contabilidade, engenharia civil, engenharia da computação, enfermagem e tecnologia da informação. Outras áreas com boas perspectivas de emprego no Quebéc estão compiladas no site oficial da província.

Noruega
Ocupando o 1º lugar na lista de países com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano), a Noruega tem falta de mão de obra em diversas áreas da economia.

Segundo o site oficial do governo, os engenheiros foram os profissionais mais escassos no país no primeiro semestre de 2014, com déficit estimado de 14 mil profissionais. Os profissionais mais buscados são das áreas de perfuração, automação, mecânica, mecatrônica e hidráulica.

De olho no pré-sal, muitas empresas norueguesas têm buscado aproximação com os brasileiros. O país também está de olho em médicos, enfermeiros e profissionais da área de educação.

Leia também

///

Stop Waiting for the “Next Big Idea” and Try the Smaller Ones

Stop Waiting for the "Next Big Idea" and Try the Smaller Ones

We’re constantly bombarded with stories of people who are doing incredible things and it often makes us think we need a big idea to get started. However, it’s often the little ideas that lead to big things.

As author Scott Berkun points out, little ideas can be useful enough if you present them in the right place. Making your office run 10% more efficiently, cooking your food in a slightly easier way, or heck, even inventing a device that allows you to take selfies in a somewhat easier yet more visually obnoxious manner. All these ideas have one thing in common: they solve small problems, instead of trying to change the world:

Rather than worrying about the size of an idea, which most people do, it’s more productive to think about the possible leverage an idea has. To do this requires thinking not only about the idea itself, but how it will be used. An idea can have a different amount of leverage depending on where, when and how carefully it is applied.

It may feel a little futile to spend your time working on something that won’t see a huge audience. On the other hand, you don’t want to put in less effort than the creators of the selfie stick, do you? Don’t wait for a big idea to get started. Just get started.

Why Small Ideas Can Matter More Than Big Ideas | Scott Berkum via 99u